FLEC apela ao reconhecimento angolano dos confrontos em Cabinda e que permita circulação de jornalistas no enclave

FLEC Logo

Comunicado

A direcção político-militar da FLEC/FAC lamenta que o Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA), Geraldo Sachipengo Nunda, ignore friamente os soldados angolanos mortos em combate em Cabinda, vexando a sua memória e o luto das suas famílias.

O Chefe de Estado-Maior General das FAA demonstra que não conhece a real situação militar em Cabinda ou pretende colaborar com as declarações do MPLA que insiste obsessivamente em asseverar que não há guerra em Cabinda. Para demonstrar a verdade das suas palavras o Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas Geraldo Sachipengo Nunda deverá explicar à imprensa onde está o Major das FAA Miguel Zamba, como e onde morreu.

O Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas Geraldo Sachipengo Nunda respeitando as suas próprias palavras deverá autorizar a atribuição de Vistos a todos jornalistas que pretendam deslocar a Cabinda, mas também autorizar que todos os jornalistas desloquem no território de Cabinda livremente, sem estarem acompanhados pelas FAA, polícias ou seguidos pelos serviços secretos. O Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas Geraldo Sachipengo Nunda deverá garantir que depois das visitas dos jornalistas a Cabinda que os populares que testemunharam a verdade à imprensa não sejam vitimas de represálias ou qualquer outro tipo de pressões.

Cabe aos órgãos de comunicação, ONG e opinião publica exigir ao Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas Geraldo Sachipengo Nunda que revele a verdade sobre o exposto. Não conseguindo demonstrar a verdade das suas palavras o Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas Geraldo Sachipengo Nunda deverá demitir-se por esconder e mentir sobre a realidade da guerra em Cabinda aos cabindas, ao povo angolano e à Comunidade Internacional.

Cabinda, 21.04.2016

Jean Claude Nzita

Porta-voz da FLEC-FAC

Sobre Gustavo Plácido

An independent political and security risk analyst focused on Lusophone Sub-Saharan Africa. He covers Angola and Mozambique for Horizon Client Access.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s